sexta-feira, 6 de junho de 2008

"Conselho de Biologia nega registro para formados à distância"

O portal globo.com publicou hoje uma matéria sobre o veto do Conselho Federal de Biologia - CFBio ao registro de profissionais formados em cursos à distância.

Leia a matéria abaixo e manifeste sua opinião à respeito.


Conselho de Biologia nega registro para formados à distância

Resolução foi publicada no Diário Oficial da União nesta semana.MEC diz que não concorda e estuda medidas jurídicas cabíveis para reverter situação.
Fernanda Bassette Do G1, em São Paulo
O Conselho Federal de Biologia (CFBio) não reconhece como biólogo os profissionais formados em cursos de biologia ou ciências biológicas ministrados à distância. A determinação do CFBio que "veta expressamente" o registro desses profissionais foi publicada em uma resolução nesta terça-feira (3) no Diário Oficial da União.

Veja a resolução aqui

Sem o registro é proibida atuação em laboratórios ou exercer funções em atividades de campo e pesquisa em biologia.

Silvana Veronese, de 44 anos, fez a faculdade à distância e já sentiu problemas. Ela terminou o curso de licenciatura em biologia em 2006 e teve o registro profissional rejeitado pelo conselho, antes mesmo da resolução ser publicada pelo CFBio.

"Levei toda a documentação necessária e tive uma surpresa bastante desagradável quando a atendente disse que pelo fato de eu ter feito curso superior à distância eu não teria direito ao registro profissional", conta Silvana, que é formada pela Universidade Estadual do Norte Fluminense (Uenf) por meio do Centro de Educação Superior a Distância do Estado do Rio de Janeiro (Cederj).


Carga horária x aulas práticas
Segundo Wlademir João Tadei, presidente do Conselho Regional de Biologia da 1ª Região (que inclui São Paulo, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul), a decisão do CFBio foi tomada depois que alguns recém-formados em cursos de licenciatura à distância começaram a procurar os conselhos regionais para conseguir o registro profissional.

A autorização para trabalhar é concedida normalmente para alunos formados na modalidade de licenciatura em cursos presenciais.

"Não dá para um profissional de curso à distância ter as mesmas atribuições de um profissional formado em um curso presencial. Se ele quiser dar aulas para alunos dos ensinos fundamental e médio, tudo bem, pois aí ele não precisa do registro. O que não pode é ele querer exercer a função de biólogo em atividades de campo, pesquisa, laboratórios", disse Tadei.

De acordo com Tadei, o CFBio tem como foco principal a questão da carga horária dos cursos à distância e o fato de eles não possuírem aulas práticas. "Ter um laboratório é fundamental para o aprendizado, para exercitar a prática. E isso é impossível no ensino à distância, pois a carga horária desses cursos é bem reduzida. O nosso objetivo é preservar a atividade profissional e formar um profissional com qualidade."

Mínimo de 2.800 horas
Segundo o presidente, o Conselho Nacional de Educação (CNE) exige que um curso tenha carga horária de 2.800 horas para ser reconhecido. Essa carga horária, segundo ele, é insuficiente. "O CFBio vai encaminhar uma proposta para o MEC [Ministério da Educação] para que a carga horária dos cursos seja de, no mínimo, 3.600 horas e que eles tenham quatro anos".

A professora Masako Oya Masuda, presidente do Cederj, disse que já entrou em contato com o MEC para reverter a situação, já que os cursos de educação à distância são reconhecidos pelo MEC assim como os cursos tradicionais.

Além disso, segundo Masako, o Cederj tem aulas práticas obrigatórias (com ensino presencial) e a carga horária do curso é de 3.300 horas - bem acima do mínimo recomendado pelo CNE. "Certamente essa exclusão vai criar um problema no mercado e precisamos reverter isso. Não entendo como um conselho profissional possa estar acima de uma regulamentação de ensino", disse a professora.

A Secretaria de Educação a Distância (Seed) informou, por meio de sua assessoria de imprensa, que o MEC não concorda com a medida do CFBio e que já estuda medidas jurídicas para reverter a situação.
Extraído de: Globo.com

51 comentários:

Anônimo disse...

Se o ensino no Brasil presencial já não bom, imagina à distância.
Vou fazer todas as graduações que eu puder à distância, várias profissões, muitas possibilidades.

Anônimo disse...

Eu fiz um curso presencial e sou registrado porém acho que nao estou totalmente qualidado em todas as areas, no entanto tive em todas as disciplinas aulas treoricas e praticas em laboratorio, não é menospresendo quem fez curso a distancia, mas nao concordo com o registro para as pessoas que fizenram curso a distancia.

Anônimo disse...

O ensino à distância é uma realidade não só no Brasil como em muitos outros países em que a cultura do ensino presencial é reforçada. Os dois tipos de ensino podem (ou não) serem de boa qualidade, depende de quem está coordenando, orientando e, principalmente, avaliando o profissional formado. Eu pergunto: quando o CRBio fez isso? Alguma vez este conselho comparou profissionais formados em ambos os sistemas? Antes de julgar, acho que devemos conhecer!

Anônimo disse...

É um absurdo que se pratique tal ato de discriminação. Então um aluno de uma faculdade ruim - mas presencial - vale mais do que o aluno do curso semi presencial do Cederj? Com que direito eles negam o registro sem nem sequer conhecer o curso???
Fico realmente chocada com tal injustiça, ainda mais vinda de um Conselho Federal.

Rubens Pazza disse...

Uma maneira justa e adequada de resolver este problema, uma vez que o MEC reconhece tais cursos é que o CFBio crie uma prova tal qual o exame da Ordem dos Advogados para fornecer o registro.

Anônimo disse...

Sou a favor que se crie uma prova como um exame para fornecer o registro a todos os biólogos.

Anônimo disse...

Concordo com todas opiniões expostas aqui, até a data de hoje, inclusive com a decisão do conselho. Existem cursos presenciais ruins, assim como à distância. Os curriculos impostos pelo MEC, a cada vez mais, só permitem informações superficiais, fator que contribui para alunos menos informados e afastados da realidade. Acho que deve ser proposto uma prova, a exemplo da OAB, para verificação da qualidade de profissionais formados, assim o conselho poderá exigir mais exclusividade nas atividades inerentes a um biólogo, coisa que atualmente não ocorre, pois está na moda "técnico ambiental", "perito ambiental" e etc., atividades desenvolvidas por vários profissionais, uns mais competentes e outros nem tanto, devido a profundidade e qualidade do ensino espécifico da área.

Edileida disse...

Penso que em qualquer curso haja bons e maus profissionais. Sou bióloga graduada em curso presencial e não me sinto muito segura para atuar apesar de ter tido aulas presenciais em laboratórios,contudo, penso que cursos à distância sejam eles quais forem devem ser analisados com cautela.Simplesmente vetar o registro é algo arbitrário, é necessário que se conheça o curso. O fato de o curso ser reconhecido pelo MEC, não quer dizer que seja bom, afinal hj no Brasil há uma "faculdade" em cada esquina e o que vemos é o sucateamento da educação.É ótimo que o CRBIO esteja atento a que tipos de "profissionais" concede o registro. Mas tbm há de se pensar nas pessoas que freqüentaram o curso.Se são licenciados que exerçam a licenciatura, ou façam um curso de licenciatura e/ou bacharelado presencial.Não considero justo que estes alunos que fizeram curso à distância queiram os mesmos direitos que um biólogo que passa 4 anos e meio assistindo aulas diárias teóricas e práticas.Caso contrário o CRBIO deve encontrar um método de concessão a todos os biólogos recém-formados.Provão não prova NADA!!!

Anônimo disse...

Concordo com o veto. E vou um pouco além. Eu fiz o curso de bacharelado em Biologia e para ministrar aulas tive que fazer mais um periodo para obter a licenciatura, porem quem fez o curso de licenciatura pode exercer a funçao de biologo e registrar no conselho sem qualquer exigencia. Acho que isso é injusto, assim como quem faz curso a distancia. O mercado ja é competitivo e desse jeito fica mais ainda.O que adianta entao a separaçao bacharel e licenciado?

Anônimo disse...

Ainda bem que o conselho tomou essa decisao. Nao é discriminaçao nao. Se for assim posso fazer um curso de medicina a distancia e obter o CRM. Por que com Biologia seria diferente?
Queria tambem que o conselho observasse o fato de pessoas licenciadas poderem registrar, pois os bachareis nao podem dar aulas sem a licenciatura. E aí como fica?

Siria Leite dos Santos disse...

Cursos de biologia ou ciências biológicas ministrados à distância. Não segue os mesmo critérios.Se governo federal que melhora a base esse professore não tem conhecimento nenhum de pratica de laboratório.Concordo plenamente com veto .

Atenciosamente,

Siria Leite dos Santos
E-mail siria.leite@uol.com.br

Anônimo disse...

Concordo com o veto do CFBio, antes tarde do que nunca. E acho que o conselho deveria rever outra questão: o fato de licenciados poderem atuarem como bacharéis. Por que isso é permitido, se os bacharéis não podem dar aulas?

Anônimo disse...

Acho que a questão é bastante polêmica e envolve conceitos, conteúdos e métodos que devem ser discutidos em mesa composta por representantes de universidades, EADs, MEC e CFBio. Como em qualquer situação que exija bom senso, a negociação, o aprimoramento do ensino e a difusão do conhecimento devem ser discutidos de forma a proporcionar a boa formação profissional sem impedir que o acesso a um curso superior seja feito em qualquer modalidade.
Marcelo Polo - biólogo, CRBio4

Anônimo disse...

O ensino presencial já é de baixa qualidade, imagina à distância. Tudo bem que o ser humano é alto-didata, mas há um limite pra tudo.
O MEC está desqualificando os seres humanos, para substituí-los por máquinas. Acho que o Conselho deveria fazer provas, tal como a OAB DO BRASIL. Assim, os qualificados teriam o seu direito garantido, pq se a OAB faz isso, pq outros conselhos de outras profissões não poderiam fazer o mesmo???
Há categorais no curso q exigem a prática, a observação e o levantamento de problemas que no curso à distância não há.
Acho que devem ser vetados mesmo ou então o Conselho se reúna para infundir uma prova.

Anônimo disse...

Quanta ignorância! Como pessoas de "nível superior" integrantes do desenvolvimento científico deveríamos saber que jamais podemos dar uma opinião sem termos justo conhecimento de causa. Vamos lá, sou biólogo, registrado no CRBio, obviamente graduado em curso presencial. Porém atuo como tutor presencial no curso de Biologia da UFRJ/CEDERJ. Com conhecimento de causa posso dizer que o curso em que trabalho oferece plena condição para que os formados possam atuar como biólogos pois além de carga horária acima da exigida pelo CRBio e MEC, existem dezenas de práticas obrigatórias de campo, laboratório e etc. Além de tudo o curso possui rigorosidade considerável nas avaliações presenciais e excelente material didático. Não se traa de um curso A DISTANCIA e sim um curso SEMIPRESENCIAL, onde os alunos desenvolvem idependencia nos estudos teóricos. Sugiro que o CFBio/CRBio designe uma comissão para conhecer o curso de biologia do CEDERJ, acredito que serão surpeendidos pela qualidade. Sem contar que o curso é ministrado pela conceituada Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Anônimo disse...

Sou aluno do Cederj e meu nome é Dinarte!

Peço aos "Biólogos" de plantão que não tirem conclusões precipitadas sobre a qualidade dos cursos ministrados pelo Cederj, pois assim como na ciência, qualquer opinião dada deve ter um fundamento teórico provado por meio de prova e defesa, a opinião de alguém só é considerável quando ela tem fundamento!

Felizmente não precisamos provar nada a ninguém, pois O ENADE (se é que vc's sabem o que é isto!), classificou o curso de Biologia ministrado pelo CEDERJ em primeiro lugar.

Portanto concordo sim com o não registro de cursos que formam desclassificados e não daqueles que fazem um curso superior de qualidade como os gerenciados pelo Cederj!

Não quero aqui agredir ninguém, mas desculpe se vc vestiu a carapuça!!

Caso tenham interesse posso enviar-lhes algumas de nossas avaliações e com isso vc’s poderão verificar o nível de nossas provas!
Dinarte@ufrj.br

Um grande abraço a todos e muito sucesso profissional a todos nós!

Anônimo disse...

Concordo com a resolução do CFBio...vejo como uma forma de proteger de proteger a profissão. As pessoas falam mto da qualidade de ensino do Cederj, no que diz respeito ao material didático entre outras coisas... eu não duvido... mas o Cederj não é o único que oferece curso a distância. Vejo faculdades particulares as quais os cursos presenciais ja não são grande coisa... imaginem os cursos a distância? Não sou a pessoa mais indicada p/ falar pq não conheço profundamente a realidade desse sistema de ensino, mas particularmente, me parece meio bizarro a formação a distância em qualquer ciência da saúde. Será que alguém confiaria num médico formado nesse sistema? Se não existem cursos de medicina a distância, pq pode existir de biologia? Isso p/ mim é desmerecer a profissão. Só acho que, se o conselho não aprova, tal curso não deveria sequer ter sido criado, p/ que dissabores fossem evitados... afinal,reconheço que é injusto com as pessoas que investiram tempo e dedicação a esse tipo de graduação, pensando que iam poder exercer a profissão sem problemas e depois tem uma surpresa desagradável dessas...

Anônimo disse...

Já fiz curso de biologia presencial e parei e fui para o curso do Cederj.É uma diferença enorme o cuso no Cederj não é fácil como as pessoas dizem.Garanto que aprendo muito mais no Cederj.Temos aula prática obrigatória e com carga horária acima do mínimo requerido.Nossas provas presenciais não são fáceis.
Além disso o curso é SEMIPRESENCIAL, OU SEJA, NÃO DÁ PARA FICAR APENAS ESTUDANDO EM CASA TEM QUE IR DURANTE A SEMANA NO PÓLO."Biólogos" de plantão não saiam falando o que não sabem do curso de biologia do Cederj que tem a UFRJ ministrando o curso.

Anônimo disse...

O fato de um aluno de educação à distância exercer uma função de professor de biologia nos ensinos médio e fundamental é tão quanto possível como o aluno da modalidade presencial pois oque vai avaliar o profissional é a sua competência pois conheço biólogos formados em faculdades como por exemplo UFRJ que não sabem se quer a função de todas as organelas celulares. Quem faz o profissional é ele mesmo e não de onde ele se formou, lógico que um licenciado não tem a mesma experiência laboratorial que um bacharel isso se ele não foi um aluno fantasma!!! UfRJ,UERJ,UFF e etc não iriam se unir em um ensino à distância se este não fosse de competência uma vez que estas são consideradas excelentes em âmbito nacional.Acho que o CFbio antes te tirar suas conclusões deveria presenciar um pouco estes cursos antes de tiras suas decisões ... Isso é uma falta de respeito com pessoas que reallizam estas modalidades, visto que estas deixam seus lares nos sábados ou domingos para estarem em salas de aula, enquanto outros não fazem nada!!!!

Israel Pereira Gonçalves disse...

Sou aluno de curso semepresencial da FTC, e li os comentarios com muita tristeza, de saber que os nosso professores e pesquisadores na sua maioria são tão mal preparados q tem medo de concorrencia no mercado de trabalho.
No meu ponto de vista o CFBIO esta no atrazo de 30 anos, pois hoje com a tecnologia que o nosso pais dispoe, a educação é uma questão de querer. Você que tem diploma de presencial e pensavam que eram o tal, podem tratar de estudar muito vem concorrentes por ai! Não mais so basta um diploma na parede, mais sim, o conecimento. Esta decisão do CFbio vai ser revogado em breve. O lugar de coisas antigas é no atiquario e não na educação. Eu observei que pessoas que se dizem formados em faculdade presencial não aprenderam nem escrever, os erros de ortografia são absurdos.
Portanto, eu volta a dizer que o estudo esta relacionado ao estudante.

Anônimo disse...

Na verdade ninguém aqui sabe escrever, nem alunos egressos de cursos presenciais nem alunos de cursos a distância.
Nois ta é perdido mermo

Anônimo disse...

Aluno a distância vai melhor no Enade

da Folha Online

Os alunos que ingressaram em cursos superiores com a modalidade de educação a distância têm mostrado melhor desempenho do que os estudantes que fazem o mesmo curso da maneira tradicional, segundo os primeiros resultados do Enade (exame do MEC que avalia o ensino superior), revela reportagem publicada nesta segunda-feira pela Folha (íntegra disponível para assinantes da Folha ou do UOL).

Levantamento feito pelo Inep (órgão de avaliação e pesquisa do MEC) aponta que os alunos de cursos a distância se saíram melhor em 7 das 13 áreas onde essa comparação é possível.

A análise mostra vantagem ainda maior nos primeiros anos de curso --9 entre 13 áreas de ensino. Turismo e ciências sociais apresentam vantagem favorável aos cursos a distância. No ensino presencial, o melhor desempenho foi registrado nos cursos de geografia e história.

Esta é uma prova da qualidade dos alunos de cursos à distância.
Tenho plena certeza que alunos formados à distância em universidades como UFMG, UFRJ, UFsCAR, PUC são muito melhores profissionais do que os "presenciais" formados em UNIisso, UNIaquilo, UNIesquina, UNIdez, Unionze.

Digo isso também com conhecimento de causa. Tenho dois colegas que fazem curso à distância um na UFsCAR e outro na URFJ. Os caras ralam feito condenados. Depois que começaram o curso, não tiveram mais tempo para a pelada com os amigos, e, no trabalho, vivem aproveitando o mínimo tempo para fazer trabalhos.

Tenho também muitos colegas que estudam em curso "presencial" nas UNIesquinas e Unionzes da vida. Eles, por incrível que pareça, nunca faltaram em uma pelada. Estão sempre conosco nas festas, mesmo em horário de aula. Comentário de um dos colegas da UNIesquina:
"-Ih cara. Eu posso faltar o quanto quiser na aula. O professor só passa a lista pela classe, qualquer um assina por mim. Geralmente só vou para a aula duas vezes por semana."

Será que isto é "presencial"?
E será que um profissional formado num curso destes vale mais que o formado na EAD da UFsCAR ou no sistema do Cederj, onde o cara não tem tempo nem pros amigos?

Sei lá, mas acho que há uma inversão de valores no ensino brasileiro.

Anônimo disse...

ACHO QUE CERTOS ASPECTOS DESSA DISCURSAO SAO INCLIVELMENTE PATETICOS

O QUE SE PERCEBE E A DEFESA DE MERCADO E NÃO DA QUALIDADE DO BIOLOGO FORMADO

CONTRADITORIAMENTE OS CURSOS PARTICULARES DE PESSIMA QUALIDADE JOGAM MUITOS PROFISSIONAIS DESPREPARADOS NO MERCADO DE TRABALHO, SENDO QUE O CONSELHO DE BIOLOGIA NAS NEGA DIPLOMA NEM PARA FACULDADES DESCARTADAS PELO MEC.
A EVASAO DO CEDERJ E MUITO GRANDE NUAM SE FORMANDO NEM 20% DOS ALUNOS EGRESSOS CEDERJ DEVIDO AO RIGIDO PROCESSO DE AVALIAÇÃO. HOJE PODEMOS DIZER QUE E MAIS FACIL ESTUDAR EM UMAS DAS UNIVERSIDADES PRESENCIAIS DO QUE FAZER O CEDERJ

O CURSO DO CEDERJ É MELHOR QUE MUITAS FACULDADES POR AI POR ISSO SEU CONCEITO É A PELO MEC ALEM DE SEREM ADMINISTRADOS POR UNIVERSIDADES DE RENOME NO PAIS.

ESPERO QUE REFLITEM E ENXERGAM A BESTERIA QUE DIZEM DO CEDERJ E PROCUREM FISCALIZAR AS FACULDADES VERDADEIRAMENTE INCAPAZES, SEM MASCARAR O OBJETICO DE DEFESA DE MERCADO

Anônimo disse...

SOU ESTUDANTE DA UNIVERSIDADE ESTADUAL VALE DO ACARAU MODADELIDA SEMIPRESENCIAL E ACHO QUE A DECISÃO TOMADA PELO CONSELHO É UM ABSURDO ,TENDO EM VISTA QUE NEN SEMPRE OS CURSOS PRESENCIAIS FORMAM PROFISSIONAIS QUALIFICADOS.

Sabrina Rangel disse...

Gostaria de saber se professores formados em licenciatura plena em biologia precisam de registro no crbio para poderem lecionar? Posso perder uma vaga de concurso se eu não tenoh o registro?
Achei que não sendo bióligo e sim professora não precisaria. Isso é correto? Respondam por favor. Grata!!!

Anônimo disse...

Gostaria de saber se professores formados em licenciatura plena necessitam fazer o registro no crbio para poderem atuar? Se eu passar em concurso posso não tomar posse por causa da falta desse registro? Sabrina (srangel.o@bol.com.br) Responda por favor.

Assessoria de Comunicação disse...

Prezada Sabrina Rangel,

Caso você passe em algum concurso público que exija o registro no CRBio-04 não se preocupe. Você apenas terá que pedir o registro com urgência.

Para isso será necessário provar que passou em um concurso e que precisa do registro logo.

Portanto, pode ficar tranquila e fazer qualquer concurso público que exija o registro no CRBio-04. Caso passe, é só pedir o registro com urgência.

Att,

André Nessim
Assessor de Comunicação

ROSA disse...

Caros amigos:
A qualidade dos cursos superiores, que hoje é avaliada pelo ENADE, constatou que, de 13 cursos avaliados (em que se tinha presencial e a distância), em 7 deles os alunos de ensino a distância se saíram melhor.
Isso não quer dizer que essa modalidade seja melhor que a presencial, apenas leva a conclusão que o diferencial do egresso de ambas as modalidades, está em outros aspectos: seriedade da instituição ofertante e do aluno, por exemplo.

ATENÇÂO:
A Educação a Distância (EaD) está prevista na Lei 9493/96( LDB - Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nascional e atende a vários dispositivos legais específicos. Assim, qualquer egresso de curso a distância que seja discriminado por causa da modalidade em que se formou pode processar a instituição que o fez. Inclui perdas e danos morais!
Melhor: a vítima pode entrar no Ministério Público para que a justiça se faça com maior rapidez. O que o CRBio está fazendo é uma ilegalidade!
Endendo que possam estar preocupados com a qualidade do profissional, mas, não poderá continuar infringindo a lei!
Que institua um exame antes de conferir o registro, como faz a OAB. Isto pode!
O que falo aqui não é "achismo"! Na Bahia vimos um caso de discriminação do Gov. do Estado em concurso público, quando utilizaram como critério de desempate o fato de um dos concorrentes haver cursado o ensino presencial. Não deu outra: o Min. Público entrou com ação em cima e a vítima, não só foi admitida pelo Estado, como foi receber poupudas "perdas e danos".
O ensino a distância só é novo para os desinformados.

... PESQUISEM ANTES DE FALAR DO QUE NÂO CONHECEM!

Cloves disse...

Sou formado em curso presencial e dou aulas em ensino presencial e à distância. Quanto mais aulas dou no presencial, mais eu amo o ensino à distÂncia.
Os alunos são diferenciados(pela faixa etária e pela dedicação)e o ENADE veio provar isso.
Essa resolução do CFBIO,cheira a reserva de mercado. Será que os colegas biólogos têm medo de perder o emprego? Quem fala da EaD, conhece a EaD? Já fez algum curso na modaldidade EaD? Além de ilegal, a resolução fere o decreto de reconhecimento do curso que garante o registro ao licenciado.
O mundo mudou. Os conselhos de classe estão impregnados pelo corporativismo e pelo sindicalismo obsoleto que impera no Brasil. Se já se fazem cirurgias à distância, por que não ensinar Biologia. Os programas de computador substituem os laboratórios com muito mais qualidade, mapas celulares tricimensionais, modelos e simulações, não aquelas peças velhas, sucateadas que encontramos nas faculdades presenciais.Façam um curso EaD e depois venham discutir. Não discutam sem conhecimento de causa.

Anônimo disse...

Concordo com o amigo acima, e realmente e triste ver que pessoas formadas facam tais comentarios, que levam todos a crer que nao se garantem no mercado, sem nenhuma justificativa plausível.
Ja fiz faculdades presenciais, e jogue a primeira pedra quem nunca viu varios vezes metade da sala ir pro bar da esquina encher a cara, (nada contra bebida), professor chegar e dispensar o restante, professor sair mais cedo, alunos preocupados com o churrasco do fim de semana. E logico o que vale e presenca, pois faculdade hoje e negocio, precisam do dinheiro dos alunos e os alunos precisam do canudo. Entao todo mundo se faz de cego e tudo certo. Cursos a distancia, significa SEMI Presencial, ou seja tem laboratorio, tem pratica sim. Bom a nao ser que a graduacao de vcs tenham sido 100% no laboratorio, o que julgo dificil. Faculdade a distancia o cara tem que ralar sozinho, e so faz quem realmente tem foco.

Anônimo disse...

É lamentável o quanto desenformados são os profissionais de hoje!É fato que a desinformação não só provoca PRÉ-CONCEITOS! Como medo!Pois análisando alguns comentários aqui postados podemos verificar que "profissionais" formados! e con o seu CR! infelizmente não tem COMPETÊNCIA A EXERCEREM A PROFISSÃO ESCOLHIDA!Visto isso é de se espera que crítiquem e tenham medo da CONCORRÊNCIA! pois se antes tinhamos alguns poucos PRIVELEGIADOS COM 3º grau, hoje essa tendência tende a diminur! O quê é esperado, visto que sem EDUCAÇÃO NÃO HÁ DESENVOLVIMENTO!Acho que ao invez de ficar criticando sem o devido conhecimento de causa!Essas pessoas que se sentem ameaçadas pela concorrência deveriam, perde o seu tempo, a invez de minar algo que já é uma realidade, e é PUBLICA!deveriam estudar mais! para serem competitivos! e isso serve para os DIRIGENTES DO CONSELHO DE BIOLOGIA!que até o presente momento é composto de pessoas que pararam no tempo! É importante lembrae que em rarissimas exceções!Quanquer UNIVERSIDADE PÚBLICA, SEJA ELA ABERTA OU NÃO, É INFINITAMENTE MELHOR, QUALQUER UNIVESIDADESINHA PARTICULAR! COM PROFISSIONAIS MUITO MAIS GABARITADOS!PARA CONFIRMAR ESTA TESE É SÓ VERIFICAR O CONCEITO DO ENADE!POR TANTO, PRÉ-CONCEITOS A PARTE ... SÓ O QUE POSSO DIZER: É ESTUDEM MAIS ,INFORMEM-SE MELHOR, PARA PODER COMPETIR NUM MUNDO GLOBALIZADO!

Anônimo disse...

Não importa se o curso é a distância ou presencial, o que importa é a qualidade; se vocês não sabem, o curso que chamam de "a distância" possui laboratórios e aulas de campo obrigatórias condizentes com a carga horária exigida, logo o ideal para uma avaliação de qualidade é que o CRBio aplique uma prova, como na OAB. Sou formado pelo CEDERJ, e garanto a qualidade do ensino.

Anônimo disse...

Olá a todos!
PARA QUEM NÃO SE INFORMA:
Muita gente aqui que expressou sua opinião não se informou sobre os cursos a distância. Em primeiro lugar, o curso de Biologia do CEDERJ tem aulas práticas, laboratório, aulas teóricas presenciais, provas, etc. Eu, por exemplo, estou lá para cada disciplina, PELO MENOS, uma vez por semana. Para dar opinião, é preciso estar informado. Na verdade, o ensino a distância (EAD)é um sistema semi-presencial. Antes de falar qualquer coisa, vc precisa se informar. Concordo plenamente que um licenciado não deva trabalhar como bacharel. Acho justo uma prova como a da OAB. Façam uma pesquisa em sites de confiança sobre a EAD, e formem suas opiniões. Pesquisem sobre a EAD no exterior e se surpreendam. Se muitos acham que o CEDERJ não tem valor, não deveriam ter medo dos profissionais que se formam por ele. E para aqueles que acham que o mercado está muito competitivo, estudem. Para os que acham que graduação a distancia é fácil, experimentem antes de falar qualquer coisa a respeito. Se informe, senão sua opinião não passará de preconceito.

Marcello disse...

Não concordo com o veto por me parecer extremamente descriminatório e de julgamento precipitado, apesar do ensino à distância no Brasil de certa forma uma novidade, nos países de primeiro mundo é uma relidade bem presente e considerada. É uma pena uma instituição tão reconhecida como o CRBio tomar uma atitude como essas, afinal de contas, tratando-se do CEDERJ todos os sus cursos são registrados pelo MEC, o que não acontece em várias outras instituições de ensino, que funcionam apenas com portarias. Como pode uma decisão como essa, que passa por cima do conselho de educação e do próprio MEC. Com certeza ações cabíveis precisam ser tomadas, pois os profissionais já formados, que se dedicaram a esta modalidade não podem ficar prejudicados.
Para acabar com qualquer dessas dúvidas basta verificar o resultado do último ENADE, onde alunos de CEDERJ tiveram melhor desempenho do que alunos presenciais.

Por um Brasil melhor

mateus disse...

Sou aluno do curso licenciatura em biologia a distância no estado da bahia e li com muita tristeza a publicação vetando o registro de biologos de cursos a distancia,concordo em parte, pois todo e qualquer curso seja ele presencial ou a distancia deve-se estar voltado a sua fundamentação metodológica e suas capacidades de absorver determinado assunto, ou seja, a diferença de um para outro é você quem faz, você estudante, e deve ter a consciência de seus atos. seria mais fácil se ao invés de proibir, podessem pensar em estratégias para avaliar o aprendizado e quem sabe criar cursos com aulas de campo. todo e qualquer orgão tem o direito de ser respeitado e ter autonomia, so não tem o direito de intervir no aprendizado sem antes pensar em estratégias de mudanças e possíveis soluções. Não há diferença entre um curso presencial com um a distância, pois ambos estão voltados ao aprendizado. Basta-se obter talento e força de vontade para mudar e ser objeto de mudança. Só depende de nós.

-jalgs- disse...

Só quem cursa ead como o cederj proporciona é quem possui bases para falar sobre. O restante cale-se por gentileza e trate cada um de estudar minuciosamente como nós alunos CEDERJ estudamos.
Qto às outras fora do consórcio,em nada posso opinar... Saiba que EAD,nãp é para qualquer um, aprender a buscar o conhecimento sem a orientação direta dos professores, tem que ter muita capacidade,conseguida com muito empenho. EAD faz com que o aluno desenvolva seu próprio potencial em busca de seus objetivos. Pois que para responder as avaliações elaboradas pelos grandes doutores pesquisadores das maiores e melhores universidades PUBLICAS envolvidas, não é para qualquer um...mas tenha certeza que alguns orientadores são tão presente em nosso aprendizado que a atuação destes faz com saiamos muito mais em busca do nosso ideal.
Se não tiver informações relevantes, fundamentadas acerca do assunto,é melhor mesmo só ler e permanecer calado.
Por que então negar registro aos melhores? Tem alguma política por trás disso que não fôra divulgada? Pensemos com cautela. E a gente fica aqui, tosqueando...discutindo "sexo dos anjos". Balela! Vamos estudar gente que o tempo passa.

Anônimo disse...

Estudar à distancia não é nada fácil, já fiz curso presencial e todo mundo sabe que só estuda quem quer, pois tem alunos que ficam presentes mesmo é nos barzinhos ao redor da instituição. No curso à distancia o aluno precisa de seriedade, senão não aprende, não dá pra ir pro barzinho depois pegar a matéria com o colega e colar na prova. Antes de criticarem, deveriamos conhecer melhor como funciona. Acho de grande valor para um país tão grande como o nosso, onde existem pessoas morando em lugares tão distantes e de difícil acesso, como por exemplo o norte do país, onde as pessoas viajam dias de barco de uma cidade para a outra que se invista neste tipo de modalidade de ensino. Aliás, não estamos na era da tecnologia?!! Então pra que esta frescura?!!! Isto é pura discriminação de um povo que não sabe evoluir. Galera dos cursos presenciais, vão estudar e parem de perder tempo de namoricos e bebericagens. Tenham como exemplo a galera dos cursos a distância que matam um leão por dia!!!!!!!

Anônimo disse...

Aproveitando o assunto, faço ciências biológicas bacharel na UNINOVE em SP que por sinal é uma porcaria, falta dinâmica dos professores acabo perdendo meu tempo indo assistir aula, preferia estar em casa ocupada com minha atividades relacionada a biologia e pretendo continuar meu curso só que em EAD.
Alguém conhece alguma aqui em SP pode ser Licenciatura ou Bacharel?

Obrigada,

Mulher Maravilha

Anônimo disse...

Não vou recriminar quem concorda com a decisão do CRbio mas a geralmente a atitude de quem não conhece o sistema do cederj é essa, mas o que esperar da ignorância do conecimento. Para começar Cederj não forma ninguém, não é uma faculdade. Os alunos irão se formar pelas universidades públicas, com diplomas das respctivas e acho que é isso que os alunos presencias não toleram. O curso não é a distância como todos pensam, como se fosse por correspondência, é um curso semi presencial. A carga horária é muito maior que as aulas do curso presencial. Os alunos têm que ter muita disciplina e organização, e não esperar que o professor dê tudo mastigadinho como em um curso presencial. O curso de licenciatura em Biologia, por exemplo, tem a duração de 5 anos. Então acho que está na hora de rever certos conceitos e preconceitos contra os alunos de ensino do cederj. Se for assim, os alunos de uma faculdade presencial com um ensino ruim e sucateado não merecem o diploma, certo?
Tenho certeza que se houver uma prova após a conclusão do curso, os alunos de cederj irão tão bem quanto ou melhor que qualquer outro.

Anderson Plácido Costa Silva disse...

A Justiça Federal suspendeu, por meio de uma liminar, a resolução do
Conselho Federal de Biologia que proibia a concessão de registro
profissional para alunos formados em cursos a distância. Desde junho de
2008, o conselho orientava as regionais a não registrarem esses
profissionais. Para a Justiça, a proibição é inconstitucional.... (continua)

Leia mais em: http://listas.estudantesead.org.br/pipermail/lista-estudantesead.org.br/2010-February/000218.html

Anônimo disse...

É inconstitucional, imoral e extremamente abusiva. São mesmos uns idiotas e incompetentes. Na verdade, se cabe ao conselho zelar pelo bom exercício da profissao e se esse conselho entende que um curso a distância não é capaz de formar bons profissionais, pois que utilize dos meios jurídicos diponíveis para impedir o reconhecimento dos cursos pelo MEC. O que não poderia fazer, em hipótese alguma, era impedir o registro de um cidadão que efetivamente incorreu em ônus financeiro dentre outros, para cursar uma graduação reconhecida como válida pelo próprio Estado. Isso se chama calote. Incompetentes...

Anônimo disse...

CONTINUAÇÃO DO ANTERIOR. 3) A atitude do Conselho de Biologia é exagerada e inconstitucional. Se o curso em questão tiver requisitos que se assemelhem com os cursos presenciais não é a carga horária um pouco a menor que será fundamental para indicar se o curso é bom ou não, se os alunos o aproveitaram ou não. Vou lhes contar uma historinha. Na área jurídica, houve uma Emenda à Constituição Federal que fez com que se exigisse a obrigatoriedade de três anos da atividade jurídica para os formados serem aprovados em concursos públicos de juiz e promotor. Não concordo que os três anos provem alguma coisa, mas concordo ser necessária experiência de vida para formar valores e julgar a vida alheia, que, em geral, os novos não têm. O que os mais novos têm é maior energia para estudar e pai para bancá-los em geral, enquanto outros que não tinham isso, pois trabalhavam, não tinha tempo para estudar. Isso criava uma situação injusta, porém, a solução não foi mais justa, pois não se pode culpar os mais ricos pelos dissabores dos mais pobres de forma indireta, o sistema é que é injusto. Quando li um julgado do Supremo Tribunal Federal sobre isso, vi as dores de certo(a) Ministro(a). Quando era advogado(a) ele(a) deve ter sido "vítima" dessa situação e ficou com raiva dos de menos idade concursados, mesmo porque estes em geral são cheios de jactância, justamente pela juventude e inexperiência de vida. Então vi que o(a) Ministro(a) resolveu tomar as dores de outros ou talvez de seu passado para "se vingar" nos demais, note-se que ele(a) era advogado(a), não era juiz, nem promotor, antes de ser Ministro. A solução mais justa talvez fosse limitar a idade do concurso, mas isso mexeria na vida de muita gente, seria inconstitucional também e os novos não poderiam ter melhor remuneração nunca. Enfim, acho que o pessoal do Conselho de Biologia pode estar agindo de acordo com as dores próprias e não de forma imparcial. Ainda bem que o MEC não discrimina se o curso é à distância ou presencial, evitando que essa informação conste no diploma. Mesmo por que num futuro bem próximo, ninguém praticamente precisará sair de casa para fazer quase nada, quando a tecnologia for axcessível a mais gente. O Conselho tem que julgar o curso e não inferiorizar todos os cursos à distância de forma arbitrária. Desculpem se a mensagem foi longa, mas estava entalada na minha garganta. Agradeço a paciência de quem leu.

Anônimo disse...

CONTINUAÇÃO DO ANTERIOR. 3) A atitude do Conselho de Biologia é exagerada e inconstitucional. Se o curso em questão tiver requisitos que se assemelhem com os cursos presenciais não é a carga horária um pouco a menor que será fundamental para indicar se o curso é bom ou não, se os alunos o aproveitaram ou não. Vou lhes contar uma historinha. Na área jurídica, houve uma Emenda à Constituição Federal que fez com que se exigisse a obrigatoriedade de três anos da atividade jurídica para os formados serem aprovados em concursos públicos de juiz e promotor. Não concordo que os três anos provem alguma coisa, mas concordo ser necessária experiência de vida para formar valores e julgar a vida alheia, que, em geral, os novos não têm. O que os mais novos têm é maior energia para estudar e pai para bancá-los em geral, enquanto outros que não tinham isso, pois trabalhavam, não tinha tempo para estudar. Isso criava uma situação injusta, porém, a solução não foi mais justa, pois não se pode culpar os mais ricos pelos dissabores dos mais pobres de forma indireta, o sistema é que é injusto. Quando li um julgado do Supremo Tribunal Federal sobre isso, vi as dores de certo(a) Ministro(a). Quando era advogado(a) ele(a) deve ter sido "vítima" dessa situação e ficou com raiva dos de menos idade concursados, mesmo porque estes em geral são cheios de jactância, justamente pela juventude e inexperiência de vida. Então vi que o(a) Ministro(a) resolveu tomar as dores de outros ou talvez de seu passado para "se vingar" nos demais, note-se que ele(a) era advogado(a), não era juiz, nem promotor, antes de ser Ministro. A solução mais justa talvez fosse limitar a idade do concurso, mas isso mexeria na vida de muita gente, seria inconstitucional também e os novos não poderiam ter melhor remuneração nunca. Enfim, acho que o pessoal do Conselho de Biologia pode estar agindo de acordo com as dores próprias e não de forma imparcial. Ainda bem que o MEC não discrimina se o curso é à distância ou presencial, evitando que essa informação conste no diploma. Mesmo por que num futuro bem próximo, ninguém praticamente precisará sair de casa para fazer quase nada, quando a tecnologia for axcessível a mais gente. O Conselho tem que julgar o curso e não inferiorizar todos os cursos à distância de forma arbitrária. Desculpem se a mensagem foi longa, mas estava entalada na minha garganta. Agradeço a paciência de quem leu.

Anônimo disse...

CONTINUAÇÃO DO ANTERIOR. 3) A atitude do Conselho de Biologia é exagerada e inconstitucional. Se o curso em questão tiver requisitos que se assemelhem com os cursos presenciais não é a carga horária um pouco a menor que será fundamental para indicar se o curso é bom ou não, se os alunos o aproveitaram ou não. Vou lhes contar uma historinha. Na área jurídica, houve uma Emenda à Constituição Federal que fez com que se exigisse a obrigatoriedade de três anos da atividade jurídica para os formados serem aprovados em concursos públicos de juiz e promotor. Não concordo que os três anos provem alguma coisa, mas concordo ser necessária experiência de vida para formar valores e julgar a vida alheia, que, em geral, os novos não têm. O que os mais novos têm é maior energia para estudar e pai para bancá-los em geral, enquanto outros que não tinham isso, pois trabalhavam, não tinha tempo para estudar. Isso criava uma situação injusta, porém, a solução não foi mais justa, pois não se pode culpar os mais ricos pelos dissabores dos mais pobres de forma indireta, o sistema é que é injusto. Quando li um julgado do Supremo Tribunal Federal sobre isso, vi as dores de certo(a) Ministro(a). Quando era advogado(a) ele(a) deve ter sido "vítima" dessa situação e ficou com raiva dos de menos idade concursados, mesmo porque estes em geral são cheios de jactância, justamente pela juventude e inexperiência de vida. Então vi que o(a) Ministro(a) resolveu tomar as dores de outros ou talvez de seu passado para "se vingar" nos demais, note-se que ele(a) era advogado(a), não era juiz, nem promotor, antes de ser Ministro. A solução mais justa talvez fosse limitar a idade do concurso, mas isso mexeria na vida de muita gente, seria inconstitucional também e os novos não poderiam ter melhor remuneração nunca. Enfim, acho que o pessoal do Conselho de Biologia pode estar agindo de acordo com as dores próprias e não de forma imparcial. Ainda bem que o MEC não discrimina se o curso é à distância ou presencial, evitando que essa informação conste no diploma. Mesmo por que num futuro bem próximo, ninguém praticamente precisará sair de casa para fazer quase nada, quando a tecnologia for axcessível a mais gente. O Conselho tem que julgar o curso e não inferiorizar todos os cursos à distância de forma arbitrária. Desculpem se a mensagem foi longa, mas estava entalada na minha garganta. Agradeço a paciência de quem leu.

Anônimo disse...

CONTINUAÇÃO DO ANTERIOR. 3) A atitude do Conselho de Biologia é exagerada e inconstitucional. Se o curso em questão tiver requisitos que se assemelhem com os cursos presenciais não é a carga horária um pouco a menor que será fundamental para indicar se o curso é bom ou não, se os alunos o aproveitaram ou não. Vou lhes contar uma historinha. Na área jurídica, houve uma Emenda à Constituição Federal que fez com que se exigisse a obrigatoriedade de três anos da atividade jurídica para os formados serem aprovados em concursos públicos de juiz e promotor. Não concordo que os três anos provem alguma coisa, mas concordo ser necessária experiência de vida para formar valores e julgar a vida alheia, que, em geral, os novos não têm. O que os mais novos têm é maior energia para estudar e pai para bancá-los em geral, enquanto outros que não tinham isso, pois trabalhavam, não tinha tempo para estudar. Isso criava uma situação injusta, porém, a solução não foi mais justa, pois não se pode culpar os mais ricos pelos dissabores dos mais pobres de forma indireta, o sistema é que é injusto. Quando li um julgado do Supremo Tribunal Federal sobre isso, vi as dores de certo(a) Ministro(a). Quando era advogado(a) ele(a) deve ter sido "vítima" dessa situação e ficou com raiva dos de menos idade concursados, mesmo porque estes em geral são cheios de jactância, justamente pela juventude e inexperiência de vida. Então vi que o(a) Ministro(a) resolveu tomar as dores de outros ou talvez de seu passado para "se vingar" nos demais, note-se que ele(a) era advogado(a), não era juiz, nem promotor, antes de ser Ministro. A solução mais justa talvez fosse limitar a idade do concurso, mas isso mexeria na vida de muita gente, seria inconstitucional também e os novos não poderiam ter melhor remuneração nunca. Enfim, acho que o pessoal do Conselho de Biologia pode estar agindo de acordo com as dores próprias e não de forma imparcial. Ainda bem que o MEC não discrimina se o curso é à distância ou presencial, evitando que essa informação conste no diploma. Mesmo por que num futuro bem próximo, ninguém praticamente precisará sair de casa para fazer quase nada, quando a tecnologia for axcessível a mais gente. O Conselho tem que julgar o curso e não inferiorizar todos os cursos à distância de forma arbitrária. Desculpem se a mensagem foi longa, mas estava entalada na minha garganta. Agradeço a paciência de quem leu.

Anônimo disse...

O TÓPICO POSTERIOR FOI ANTES DO ANTERIOR. SEGUE O INICIAL:
Tenho experiência em estudos e formaturas. Falo isso para terem certeza de que, desculpem a total falta de modéstia, tenho toda a razão. Analiso a seguir: 1) provão não prova nada, só estressa o aluno, a vida estudantil é melhor avaliada se fossem todos os períodos de estudo. Mesmo assim prefiro a não avaliação. Esse assunto é complexo, não dá para detalhar aqui. A prova da OAB é injusta e inconstitucional. São muitos os que passam e pouco sabem. Isso alimenta a lucrativa indústria dos cursinhos pagos. Se as faculdades fossem competentes, para que a necessidade dos cursinhos? E quem elabora essas provas não teve que se submeter a esse provão na época deles. É inútil, podem acreditar! Há também casos de pessoas que sabem e não passam pelo nervosismo; 2) Não se pode pensar pequeno (pra não dizer "ser infantil"), com o argumento de que "fiquei mais tempo na faculdade, o curso foi presencial e agora esse povo com menos trabalho se dá bem". Não é bem assim. Muitos cursos à distância são exageradamente exigentes. O aluno tem muitas atividades, já acho desnecessário o excesso de rigor, e isso ocorre pois os cursos já sabiam que alguém falaria que seria "moleza" e até parece que querem se vingar. Falei com uma pessoa que conhecia um amigo que desistiu do curso on-line e voltou para o presencial que era mais leve. A grande vantagem do curso à distância para o aprendizado é permitir ver os vídeos das aulas quando o aluno quiser, o que não existe no curso presencial, dentre outras vantagens. Se o curso à distância tiver menor carga horária, não significa que ele não será eficaz, pode ser mais eficiente que o presencial, mas nem sempre. O curso à distância ou presencial será melhor aproveitado de acordo com a pessoa que está estudando e suas características, tem gente que não se adapta ao curso à distância. Em suma, AZAR de quem já fez o presencial por que na época não havia outras opções. Lamento. Antigamente não havia internet. Então azar se as pesquisas eram mais trabalhosas de serem feitas. Por isso, uma monografia feita no passado merece nota menor do que a feita hoje (considerando-se o conhecimento da época)? Poupem-me!

Anônimo disse...

ERRATA. A continuação não é do anterior, mas inicia no tópico posterior. Desculpem, foi o site que não queria enviar. Desculpem o eco de mensagens também.

Anônimo disse...

Acho que a discriminacao quanto a bacharel e licenciado nao deveria existir pois o mercado de trabalho nao exclui ninguem. No ambito de concursos ocorre esta distincao, porem e erronea pois nao sao as disciplinas que o graduado faz que definem se ele sera um pesquisador ou professor, porque o que ocorre e que um professor como um pesquisador fazem pesquisa e ministram aulas, por fim ambos exercem os mesmos papeis. Isto deveria ser aberto. Pesquisa nao e so em laboratorio pode ser teorica, pratica e etc....
O mesmo se aplica ao conhecimento presencial ou a distancia. Quem estuda é o aluno. A ou as faculdades ou Universidades não sao ruins, quem sao ruins sao os profissionais que as representam. E bom aluno e aquele que se dedica que se esmera e este profissional que coloca para cima o seu curso. Existe muita discriminacao nesse país cheio de hipócritas!!!!!!!!!!!!!!!

Anônimo disse...

Eu faço Pedagogia a distancia, no entanto meu curso é um curso totalmente teórico e a nossa prática são os estágios que realizamos nas escolas e os projetos de extensão em que participo também, no entanto, sou obrigado a reconhecer que cursos que dependem de laboratório, não podem ser realizados a distancia, no caso da biologia, se for apenas licenciatura tudo bem, agora bacharel em biologia feito a distancia não dá!!!

Anônimo disse...

eu não concordo com o CFBio. Isso é ridículo!!! sou estudante do 7º periodo de biologia pelo CEDERJ e confirmo que uma faculdade publica EAD é dificilima!! tenho certeza que muitos formados em presencias não sabem nem metade do conteudo que eu ja estudei ate agora!!!isso é puro preconceito porque, a maioria das pessoas que procuram um curso EAD é porque não têm tempo pra estar dentro da sala de aulatodos os dias mas, se dedicam muito mais aos estudos.

Anônimo disse...

Primeiro respondo ao anônimo, pois não é a faculdade ou a forma presencial ou distancia que fará do aluno um bom profissional e sim o próprio aluno com sua dedicação aos estudos e interesses ao mesmo, então se você não se senti qualificado vem de você é não da instituição que você se formou, pois o aluno dedicado reconhece se a instituição é de qualidade ou não, pense nisso.
Outra faço Biologia, mas tenho outra formação que também tem conselho e realmente na minha opinião esses conselhos só servem para tirar dinheiro dos profissionais no inicio de cada ano, essa é minha opinião sobre esses conselhos.