terça-feira, 14 de julho de 2009

IBGE faz mapa dos peixes em extinção


Existem atualmente no país 238 espécies e subespécies de peixes e invertebrados aquáticos ameaçados de extinção. Entre elas, 41 apresentam estado mais crítico, como o marisco-do-junco, o ouriço-do mar-irregular, o cação-bico-doce e o surubim. A maioria desses animais com risco de desaparecer tem seu habitat em regiões de mata atlântica e em estados litorâneos, onde a ação do homem, principalmente com o crescimento das construções imobiliárias, interfere no ciclo natural das espécies.

A informação consta do documento Fauna ameaçada de extinção: invertebrados aquáticos e peixes 2009, divulgado ontem pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O documento é o quarto e último de uma série lançada pelo órgão, em 2006, trazendo informações sobre aves; mamíferos, répteis e anfíbios; e insetos e outros invertebrados terrestres que podem entrar em extinção, totalizando uma lista de 632 espécies.

Segundo Lícia Leone Couto, bióloga do IBGE, a extinção dos animais está ligada à atividade humana. “A principal causa de extinção é a destruição do habitat das espécies e isso ocorre prioritariamente pela ação do homem. Por isso, o mapa aponta risco de extinção de animais que têm maior ocorrência em cidades costeiras, que têm grande atividade de construções imobiliárias”, explicou.

De acordo com o mapa, os cinco estados em que o risco de extinção dessas espécies é maior são: São Paulo, onde existem 86 espécies e subespécies ameaçadas; Rio de Janeiro, com 76; Rio Grande do Sul, que tem 55; Bahia, com 51; e Paraná, com 43. A bióloga destacou como fatores que aceleram o processo de extinção a poluição das águas, a sobrepesca, a pesca esportiva e o comércio de peixes ornamentais. Lícia Leone Couto citou o caso do tubarão, cuja barbatana, altamente valorizada no mercado internacional, pode ser vendida por até US$ 1 mil o quilo.

Alerta

O mapa de invertebrados aquáticos, assim como os outros três mapas já produzidos pelo IBGE, foi desenvolvido com base na Lista das Espécies da Fauna Brasileira Ameaçada de Extinção, publicada em 2004 pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis (Ibama). Para o coordenador de Recursos Naturais e Estudos Ambientais do IBGE, Celso José Monteiro Filho, o documento ajuda a alertar a população sobre o real risco que as espécies correm e a orientar políticas públicas. “Quando os dados são organizados espacialmente num mapa, é possível observar a real situação da conservação das espécies e, com isso, nortear ações públicas de preservação, como a criação de unidades de conservação, além de disponibilizar material rico a estudantes e pesquisadores da área”, ressaltou.

Fonte: Portal Uai

Nenhum comentário: